Sessão «Oficina d'Artes» com alunos da Escola Secundária Camilo Castelo Branco de Vila Real.

fotografia de Maria Fernandes (2022) - Museu da Vila Velha (Vila Real)

Ensaio de leitura para o espectáculo «Rés-do-chão».

fotografia de Fábio Timor (2021) - Teatro de Bolso (Vila Real)

Urze Teatro

Em Novembro de 2000, a Actriz Glória de Sousa, o Encenador e Actor Fábio Timor, o Actor João Paulo Miranda, o Encenador Carlos Lamego, o músico Levi Leonido e o Músico Paulo Vaz de Carvalho, constituíam, na pequena localidade de Vila Pouca de Aguiar, o projecto artístico que é hoje a Urze Teatro.

No ano seguinte, no FARPA – Festival de Artes de Pombal de Ansiães, programado na aldeia de Pombal de Ansiães, concelho de Carrazeda de Ansiães, a companhia apresentou-se com o espectáculo O REI IMAGINÁRIO de Raul Brandão (autor de referência da companhia). E desde essa altura, que de forma ininterrupta e com grande resiliência, foco e determinação a Urze foi-se afirmando artística e profissionalmente ao nível, regional e nacional, o que também se resume nas 54 criações produzidas, 18 das quais dirigidas aos mais novos, com um somatório de 1137 apresentações públicas, num total de mais de 135 mil espectadores, de Norte a Sul do País.

No seu percurso, destacam-se as propostas cénicas ALGUÉM CÁ DENTRO de José Carretas, em 2002; GERNIKA de Fernando Arrabal, em 2003; SILÊNCIO, adaptação de Rui Ângelo Araújo, a partir de contos de Anton Tchekov, em 2004; NO RASTO DE MIGUEL TORGA, adaptação de Pompeu José a partir de contos de Miguel Torga, em 2007; À ESPERA DE GODOT de Samuel Beckett, em 2008; A CANTORA CARECA de Eugené Ionesco, em 2012; e as propostas direccionadas aos mais novos A GUERRA DO TABULEIRO DE XADREZ de Manuel António Pina, em 2002; A MOURA ENCANTADA de António Cabral, em 2004; O Capuchinho Vermelho, uma adaptação livre de A. M. Pires Cabral, em 2006; A FADA ORIANA de Sophia de Mello Breyner Andresen, em 2011.

Ao longo do seu percurso destacam-se diversas actividades desenvolvidas em parceria com múltiplas instituições, autarquias, associações culturais, estruturas de criação e programação artística, entre outras, com particular destaque para o Município de Vila Real, que logo no primeiro momento reconheceu a importância da companhia para a afirmação da actividade artística no contexto social e cultural. Prova disso foi o primeiro apoio atribuído para a produção de um dos mais emblemáticos eventos de programação da cidade FESTURZE — Festival Intermunicipal de Teatro em Trás-os-Montes e Alto Douro, e concomitantemente para a continuidade da sua actividade profissional.

Na sua dinâmica de fomento e promoção das artes, destaca-se a organização da MAPI — Mostra de Artes para a Infância, em co-produção com o Teatro Municipal de Vila Real e o apoio principal do Município de Vila Real. Um evento único na região com uma programação cultural multidisciplinar totalmente direccionado ao público infanto-juvenil.

No contexto da sua estratégia de consolidação profissional, a companhia consciente dos riscos associados, sobretudo no momento das incertezas e condicionamentos impostos pela pandemia ligada à COVID-19, concretizou em Outubro de 2021 um anseio antigo com a abertura do Teatro de Bolso. Um espaço de trabalho próprio com condições dignas e adaptadas aos mais exigentes requisitos técnicos e legais para a criação, produção e apresentação das suas obras, bem como de outros artistas e agentes culturais. Um objectivo alcançado que muito contribui para a sua autonomia e reforço da oferta artística e cultural na cidade de Vila Real.

No domínio da sua intervenção sociocultural, a companhia tem vindo a desenvolver múltiplos programas que se caracterizam pela relação e envolvimento de diferentes comunidades atentos aos objectivos de sensibilização, captação e formação de novos públicos para as artes, como foi o exemplo do projecto “Violência? Não obrigado.” com as parcerias do Pelouro da Acção Social do Município de Vila Real, da APAV (Associação Portuguesa de Apoio à Vítima) e do Rotary Club de Vila Real.

Em resumo, e considerando a sua dinâmica de actuação, a Urze coerentemente tem assumido de fora coerente uma estratégia de diálogo e de interacção com diversos parceiros nas mais diversas áreas, o que lhe tem permitido assegurar a sua actividade artística e profissional de forma ininterrupta e sustentada.

Contactos

Morada

Teatro de Bolso, Avenida Aureliano Barrigas, Lt. 3, R/C Esq., 5000-413 Vila Real, Portugal

Contactos telefónicos

Geral: 259 044 684

Produção: 933 787 459

Direcção: 930 450 790

Sítios na internet

Boletim de informação

Subscreve o nosso boletim de informação e recebe notícias nossas no correio electrónico.

Apoio principal

Apoio à programação

Apoio à produção

A política de privacidade, termos e condições da Urze Teatro

Urze Teatro © 2000-2024

Página criada por ÍNDICE, Lda